quinta-feira, 19 de novembro de 2009

WOODY ALLEN, "WHATEVER WORKS"


No que diz respeito a este filme tenho de começar por uma declaração de interesses: Primeiro, tenho o Woddy Allen como o meu realizador preferido; segundo, considero o Larry David como, provavelmente, o maior génio da comédia televisiva dos últimos vinte anos. Juntar estes dois talentos gerou em mim grande antecipação. Não fiquei desiludido. Woody Allen, num estilo teatral, consegue fazer uma comédia simples e satírica onde, sem grandes surpresas, nos apresenta um conjunto de estereótipos que através de interacções banais tentam descobrir o amor. No fundo a tese, já conhecida é certo, baseia-se na ausência de sentido existencial e faz uma apologia do amor como, se não o sentido, pelo menos o significado dessa mesma existência. Simples, simpático e divertido. Não é de estranhar que temáticas filosóficas presentes em trabalhos mais antigos como Annie Hall (1977), Manhattan (1979) ou Hanna and Her Sisters (1986), reapareçam aqui porque este guião já tem mais de trinta anos. Não será o melhor trabalho de Woody Allen mas depois do seu "período inglês" e do, quanto a mim, pouco conseguido Vicky Cristina Barcelona (2008) este regresso a Nova Iorque merece uma especial saudação. Quanto a Larry David, o que dizer do talento por detrás de Seinfeld e de Curb Your Enthusiasm? Se é certo que o papel de Boris Yellnikov não foi escrito a pensar nele (nos anos 70 David andava a penar pelos bares de stand up comedy de Nova Iorque enquanto sobrevivia como motorista particular ou outros trabalhos do género)a verdade é que lhe assenta como uma luva. Quanto a mim um sucesso de casting. Uma última referência para Evan Rachel Wood. Já a conheço desde pequenina na série de final dos anos 90, Once and Again, e já se vislumbrava ser um talento natural. A confirmação da esperança nesse talento, para mim, veio com o espectacular The Wrestler (2008) onde faz uma lateral mas excelente aparição. Aqui volta a não desiludir no papel teatral de uma ingénua que chega à grande cidade. Ainda ouviremos falar muito dela, é a minha convicção. Quanto a Whatever Works, quem não gosta de Woody Allen ou de Larry David não vai gostar deste filme mas quem aprecia dará o tempo como muito bem empregue.
Votação IMDB - 7.4
Votação Desblogueada - 8

1 comentário:

francisco disse...

Woody Allen também é o meu realizador preferido o que, só por si, me faz desde logo ter um olhar muito pouco imparcial.
Fico cheio de vontade de ver o filme depois de ler a tua crítica.
Grande abraço!