domingo, 6 de dezembro de 2009

CLIMATEGATE


As últimas semanas têm sido profícuas em acontecimentos altamente relevantes para com a questão ambiental. Mais concretamente para com a ideia de 'aquecimento global'. Curiosamente nas televisões e nos jornais parece que nada se passa. A conclusão é que o gap entre a realidade e aquilo que é transmitido pelos media generalistas é cada vez maior. Não sou de grandes teorias conspirativas mas parece-me cada vez mais evidente que há um status quo que vive da manutenção do seu poder e que reflecte mediaticamente essa necessidade numa noção do 'politicamente correcto' que nos transmite a nós, humildes cidadãos, a norma pela qual devemos reger a nossa vida.

Graças a Al Gore, o aquecimento global entrou no establishment actual e aquilo que era uma preocupação legítima partilhada por um grande número de pessoas preocupadas em manter o planeta sustentável passou a revelar oportunidades de negócio interessantes para o establishment. Basta pensarmos nos milhões investidos em novas tecnologias, nas novas oportunidades que as energias alternativas representam e no falado mercado internacional de emissões de CO2. A par, o discurso ambiental é etica e moralmente apelativo (até mesmo exigível) por isso conjuga na perfeição com a noção do politicamente correcto. De repente, todos têm preocupações ambientais, a máquina do establishment assume o discurso oficial e propagandeia a nova verdade. E ai de quem disser que o planeta não está aquecer. É que uma coisa é uma preocupação legítima com a sustentabilidade ambiental; outra coisa completamente diferente é a histeria acrítica sobre o aquecimento global. E tão eficaz é a máquina propagandista mediática que parece que estas duas coisas tão diferentes são uma mesma coisa. Ou seja, temos de ter preocupações ambientais porque o planeta está a aquecer demais. E daí para a noção de que impedir o planeta de aquecer resolve a questão da sustentabilidade ambiental. E isto não é verdade. A sustentabilidade ambiental é muito mais do que o debate sobre o aquecimento global. A verdade é que a sustentabilidade ambiental é que resolve o problema do aquecimento global (se este for causado pelo Homem).

Ora nas últimas semanas foi revelado através da Internet que os mais relevantes defensores da tese 'o planeta está a aquecer e a culpa é do Homem' adulteraram dados, silenciaram opositores, viciaram modelos de pesquisa e falsificaram conclusões. Na realidade, ao invés de fazerem 'boa' e verdadeira ciência, procuraram esconder o facto de o planeta não revelar índices de aquecimento desde 1998(!). [Para mais informações pormenorizadas ler este excelente artigo]

Quer isto dizer o quê? Que não é preciso preocuparmos-nos mais com o ambiente? Evidentemente que não. Como já disse preocupação por sustentabilidade ambiental e aquecimento global são duas coisas diferentes. Para mim a opção pelo renovável e sustentável continua a ser aquilo que económica e socialmente faz mais sentido. E é também o que é mais correcto para com o nosso planeta e os nossos companheiros menos racionais neste habitáculo espacial que é a Terra. Temos de ter em consideração que, independentemente do aquecimento global ser uma realidade mais ou menos relevante, a sustentabilidade ambiental continua a ser fundamental.

No entanto o escândalo do Climategate demonstra muito do que se passa hoje em dia: O bem comum, a honra, a ética, a seriedade e a responsabilidade individual são valores em perigo. Na realidade não é diferente do nosso primeiro-ministro a mostrar estudos (que dizem que Portugal é o melhor dos mundos) que diz serem da OCDE quando se vem a descobrir que eram estudos do próprio Governo. É tudo gente da mesma laia. Sem valores. E assim vai o nosso mundo.

1 comentário:

Anónimo disse...

Podes crer.
Sz