Pensamento, m. - Acto ou efeito de pensar. Qualquer acto de inteligência. Fantasia. Ideia. Espírito. Uso da razão. Reflexões

terça-feira, dezembro 15, 2009

NÃO OS SUPORTO


Já não consigo ouvir esta personagem. É tão oco, demagógico e tenta falar tão alto, abrindo muito a boca e levantando o queixo para ver se tem mais razão, enquanto vomita asneira atrás de asneira, slogan atrás de slogan, transparente no seu pequeno interesse, tão lesivo do nosso interesse. A irresponsabilidade pura que acusa os outros de irresponsabilidade, enlameando-os no seu esterco. Irra que não o suporto. É o protótipo do politicozinho que anda para aí, tal e qual o nosso primeiro-ministro mais os seus ajudantes desde os tempos do Freeport Ministério do Ambiente e outros tantos, tantos em tantos partidos, em todos os partidos. Caruncho político. Essa pandilha é toda igual. Abre e fecha a boca, como um mimo, diz muitas palavras mas não é mais do que um papagaio que solta sons, a mando do mestre e doutrinador, em busca de uma recompensa. Esta personagem é um político. Um político como aqueles (muitos) que andam por aí. Na busca incessante da sua afirmação pessoal (pequenino, tão pequenino...) tudo fará, sem vergonha, rumo ao seu objectivo: o reconhecimento político e social. Quando deita a cabeça na almofada sonha, de uma forma quase erótica, consigo próprio a discursar do alto de uma tribuna, sonha com multidões afónicas de tanto gritar e com as mãos em ferida de tanto palmear que o aplaudem, que o elogiam, que o reconhecem como o grande, o grande político. Sonha que diz, fala e discursa mas, claro, não sonha com o que diz, com o que fala ou com o que discursa. Isso não interessa. O conteúdo não importa. Porque não o tem. Esta personagem na ânsia de sentir que é algo tenta simiamente imitar o comportamento daqueles que ele reconheceu como sendo alguém. Ele também quer ser alguém. E por isso imita. Faz de conta. Finge que é. Ele viu grandes homens e tenta ser um grande homem. No entanto, porque é de um pequeno homem que aqui falamos, aquilo que o pequeno descortina no grande será sempre pouco, será sempre pequeno também. E por isso imita a forma. Imita frases famosas sem que lhes conheça o significado. Imita o discurso mas sem perceber o seu conteúdo. É um palhaço. E os palhaços estão a dar cabo disto tudo. Irra que não os suporto.

1 comentário:

Afonso Vaz Pinto disse...

Apoiado caro Lebres!!!!!