segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

INCOMPREENSÃO

Não cessa de me surpreender
esse desconhecido linguarejar
em que o infinito, esse estranho ser,
se pretende em mim desenrolar.
Seja ignorância,
de quem não aprendeu línguas suficientes;
seja impertinência,
de quem achou que tudo poderia conhecer;
no fim sobra um leve murmurar
que parece nada significar.

Sem comentários: