sábado, 17 de abril de 2010

FIM DE CICLO

O problema da mentira é que tem perna curta. Bem podem estes nela continuar a insistir que o resultado será sempre o mesmo: o desastre. E, num assomo de arrogante premonição, arrisco dizer que quando o desastre chegar a culpa será daqueles que há muito o tentam impedir. Os marquetistas trauliteiros que desbarataram o que não tinham, esses, serão as vítimas da perfídia dos insidiosos inimigos da pátria que contra tudo e contra todos bem tentaram avisar do que já há muito deveria ser por demais evidente. Assistindo a tudo isto, de fora é certo, passo rapidamente da frustração irritada a uma espécie de aceitação pacífica. E com a mesma tranquilidade assumo que, na evidência (porque é disso mesmo que se trata) da falência do instrumento da razoável e racional discussão humana como solução para a problemática do futuro, sou forçado a compreender que tamanha tarefa não se pode fazer com todos. Cá estarei para ver como, após o desastre, muitos dos que vergonhosamente se calaram serão os primeiros a pedirem o pelourinho e o bidão de gasolina. Eu empresto-lhes o isqueiro que se queimem uns e outros, os que se calaram e os que nos roubaram, que se queimem todos numa enorme e frondosa fogueira de vaidades que o que isto precisa é mesmo de uma limpeza generalizada. E depois começamos de novo. Como sempre.

Sem comentários: