terça-feira, 6 de julho de 2010

CARPE DIEM (II)

Na inevitável decadência irrelevante que nos espera a todos revela-se a vontade eterna: a única coisa que permite  - implica - a aceitação da banalidade.

Sem comentários: