quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

FOOLPROOF PLAN

                                                                               Daqui.

NOÇÕES PANTEÍSTAS (IV)

1) O que é eterno, é.

2) O passado já não é e o futuro ainda não é.

3) O eterno, porque é, não é no futuro nem no passado.


Logo, o eterno é no presente.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

O MARATONISTA

A grande vantagem de se correr na rua em vez da hamsterização da passadeira do ginásio é que as pessoas por quem passo, a bufar e a arfar, a passo de caracol e encarnado que nem um tomate, não podem imaginar que acabei de sair da porta de casa não há sequer três minutos.

THE MIGHTY ARMS OF ATLAS

Led Zeppelin, 'Achilles Last Stand', Presence (1976)


NOÇÕES PANTEÍSTAS (III)

1) A minha vida são memórias.

2) O passado já não existe.

3) As memórias, porque são passado, são ilusões.

Logo, a minha vida é uma ilusão.

YOU'RE A STAR


NOÇÕES PANTEÍSTAS (II)

1) O que é eterno, é.

2) O passado já não é e o futuro ainda não é.

3) A eternidade, porque é, não tem nem presente nem passado.

4) O que é, porque não tem passado nem futuro, eterno é.

5) Eu sou.

Logo, Eu sou eterno.

NOÇÕES PANTEÍSTAS

1) O que é não pode não ser logo a sermos alguma coisa só poderemos ser dentro daquilo que é.

2) O passado já não é tal como o futuro ainda não é.

Logo, somos tudo aquilo de que não nos lembramos e que ainda não sonhamos.

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

O RACISMO E A IGUALDADE

Se alguém num comício se referisse à Chanceler Merckel como "a mais loirinha" ou ao ex-presidente do PSD Marques Mendes como o "mais baixinho" ninguém diria que eram acusações racistas e - ou preconceituosas. No entanto, esse tipo de afirmações não se fazem, e bem, porque se entende que no debate público não interessam as características particulares dos indivíduos: apenas os seus argumentos. Ora, nesse sentido, à primeira vista, as declarações do Arménio Carlos da CGTP sobre o "escurinho" do FMI apenas demonstram a falta de nível e de educação que imperam por aqueles lados. Mas, apesar disso, podemos sempre fazer uma pergunta: porque é que o Arménio Carlos fala do "escurinho" e não fala do "baixinho"? E aí é que está o preconceito escondido: é que para o Arménio Carlos falar do "escurinho" não tem nada de mal (e em si não tem) mas já não compreende que apontar uma característica física de uma pessoa no debate político é uma coisa que não se deve fazer, que ele normalmente não faz e que, apenas neste caso - da raça -, é que resolveu fazer. O que há de racista nas declarações do Sr. Carlos não é o facto, em si mesmo, de apelidar o Sr. Selassie de "escurinho" que configura apenas uma evidente falta de educação: o que é profundamente racista é que o Arménio Carlos não vê nada de mal em apontar questões físicas ao Sr. Selassie quando não o faz a mais ninguém. Ou seja: sentiu-se à vontade para ser mal educado para com o "escurinho" quando não o é para com os "clarinhos". Depois vem o João Soares defender o Arménio Carlos: diz ele que "o etíope é mesmo escurinho". A lógica é exactamente a mesma. Mas há mais: enquanto que estes senhores, porque são de esquerda - logo humanistas e defensores dos pobres e oprimidos -, se sentem à vontade para fazer este tipo de afirmações, já qualquer pessoa de direita que se atrevesse a qualificar quem quer que fosse pelas suas características pessoais seria rapidamente crucificado. Alguém tem dúvidas? Estão a ver um deputado do PSD ou do CDS a chamar "escurinho"a alguém - imagine-se o desplante! - e o que não haveria de vir das bancadas da esquerda. É que aqueles que agora defendem o Arménio Carlos são os mesmos que se assumem como os portentosos arautos da igualdade: são os fiscalizadores do "politicamente correcto" (dos outros); são os defensores das "quotas" e  das "descriminações positivas"; em suma: são os impositores de uma igualdade de facto tão detestável quanto impossível. As declarações do João Soares deixam bem à vista como toda essa suposta igualdade esconde uma noção profundamente preconceituosa do mundo: não só o Sr. Selassie é "escurinho" como é tratado por "etíope" sem merecer ser sequer tratado pelo seu nome. Gostaria o João Soares que algum político alemão se referisse a si publicamente como "o português é mesmo gordinho"? Se calhar não. Mas esta obsessão com as diferenças é intrínseca da esquerda, dita dos valores humanistas. Se não veja-se: a verdade é que apenas se podem dar quotas a quem é escolhido em função da sua diferença. Já pelo contrário, a verdadeira igualdade está em tratar-se as pessoas por igual independentemente de serem brancos ou pretos, mulheres ou homens, altos ou baixos, gordos ou magros. A verdadeira igualdade é a liberdade do estigma: é a indiferença perante a diferença. E é por essa razão que tanto as "quotas igualitárias" como as declarações do Sr. Arménio Carlos configuram um belo exemplo de como a maior hipocrisia vem sempre daqueles que se acham superiores aos demais: os mais racistas acabam por ser afinal aqueles que mais acusam todos os outros de racismo.

IT'S ALL FOR YOUR OWN GOOD


UM DEMOCRATA

O Bernardino Soares vai ser candidato à Câmara Municipal de Loures. Eu, pessoalmente, sempre que oiço falar deste político bem falante lembro-me das suas dúvidas sobre se a Coreia do Norte não seria uma democracia e pasmo-me sobre a impunidade que paira sobre a esquerda radical em Portugal: alguém duvida que se fosse um distinto militante e deputado (!) do PSD ou do CDS a afirmar que tinha dúvidas sobre se o regime de Salazar não teria eleições "tão livres como na livre Inglaterra" que este veria a sua carreira política arruinada? No entanto, cá continuamos: os conspiradores anti-democráticos a concorrerem a eleições. Entretanto, na Coreia do Norte, há relatos de canibalismo e vivem-se vidas que não sabem que a vida pode ser diferente de um campo de concentração onde se vive e morre sem se saber nada acerca do mundo (ver entrevista da CBS aqui). E são os Bernardinos Soares os paladinos da democracia e dos oprimidos neste país? Só isso mostra muito porque estamos como estamos.

O CIRCO

O "governo mais liberal de sempre" vai enfiar mais 42 milhões de euros na RTP e os contribuintes vão poder continuar a pagar pelos saltos do João Baião ou as piadas do Fernando Mendes. Tudo isto orquestrado pelo credibilíssimo Dr. Relvas, também ele um perito em saltos e piadas. Ao mesmo tempo, o socialista Tozé diz que o Governo é "ultra-liberal" e um crente no "Estado mínimo" pelo que ele, Tozé, é que deveria ser PM; isto, claro, para que Portugal "cresça". É, sem dúvida, uma bela anedota, também ela, obviamente subsidiada pelo contribuinte através das contribuições públicas para os partidos políticos. No final é uma festa - um circo - todo, todinho, pago pelo contribuinte, onde uns e outros alegremente saltam e brincam sem que se vislumbre, pelo menos nos presentes casos, um mínimo de consistência ideológica, coerência política ou profundidade (e honestidade) intelectual. O problema é que neste circo os palhaços somos mesmo nós.

domingo, 27 de janeiro de 2013

IGUALDADES

A França anda em guerras imperialistas e colonialistas mas, como é o Sr. Hollande - esse arauto da nova esquerda europeia! - está tudo bem; o Sr. Carlos da CGTP chama "escurinho" ao representante do FMI mas, como o primeiro é da esquerda humanista e não racista e o segundo um malandro opressor capitalista do FMI, então está tudo bem e nem é notícia - nem sequer de rodapé! - nos principais jornais. Finalmente, uns quantos militantes do PS dão três ou quatro traques na ânsia pornográfica de voltarem a gerir o país que miseravelmente faliram e, em vez de serem ridicularizados ,temos já os jornais a enaltecerem as "propostas" (inexistentes) do Dr. Costa ao mesmo tempo que analisam compungidamente a sua "disponibilidade". É uma noção muito gira a da igualdade e neutralidade da esquerda jornalística. Espero para ver o que vai acontecer quando algum militante anónimo do PSD ou do CDS chamar "escurinho", por exemplo, ao Dr. Costa: talvez um cataclisma nacional e uma petição com milhares de signatários contra os fascistas da direita a clamar pela ilegalização desses partidos. Já a CGTP, essa organização profundamente democrática e tão útil ao avanço do país como um manual de cientologia, pode ter o seu líder a chamar "escurinho" a quem lhe apetecer sem que nada lhe aconteça. A verdade é que racismo, preconceituosismo e má-educação, por enquanto, só mesmo da esquerda radical mas se formos a ver os jornais portugueses ninguém diria. Malandros, malandros, só mesmo os "bandidos" da direita.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

O HOMEM, A VERDADE E A LIBERDADE: O Caso Português

Está bastante na moda falar-se sobre "falhas de comunicação", principalmente no que concerne à política governamental. A este propósito gostaria de deixar aqui uma pequena reflexão sobre as dificuldades que o acto de comunicar, na sua génese, configuram para os indivíduos e como compreender esse facto obriga a uma série de conclusões sobre a vida comunitária.

Imaginemos uma conversa entre dois amigos onde um deles, o Sr. Dr., profere uma frase; o seu interlocutor,o Sr. Eng.º, escuta-o. Essa frase é composta por palavras que, ao serem proferidas pelo Sr. Dr. são rapidamente entendidas como significando algo para o Sr. Eng.º. A razão pela qual significam alguma coisa é porque cada uma dessas palavras representa um conceito, ou seja, algo que representa um objecto que pode ser pensado apenas pelas suas características gerais. Isto significa que, através da palavra, o Sr. Dr. comunica - transporta - uma ideia que tem no seu próprio pensamento para o pensamento do Sr. Eng.º. O problema com os conceitos é que, precisamente por serem gerais e abstractos, significam coisas diferentes para cada um dos interlocutores numa conversa. A este propósito, Nietzsche, diz-nos que "todo o conceito emerge da igualização do não igual. Tão certo como uma folha nunca [ser] completamente igual a uma outra, assim também o conceito de folha foi formado graças ao abandono dessas diferenças individuais por um esquecimento do elemento diferenciador e suscita então a representação, como se existisse na natureza, fora das folhas, algo que fosse «a folha», algo como uma folha originária, segundo a qual todas as folhas seriam tecidas, desenhadas, recortadas, coloridas, frisadas e pintadas mas por mão desajeitada, de tal maneira que nenhum exemplar tivesse sido executado de modo correcto e fiável como a cópia fiel da forma originária."(1) O que Nietzsche nos diz aqui é que cada conceito humano representa uma abstracção esvaziada de todas as características particulares que fazem cada aplicação prática desse conceito uma realidade; assim sendo, num conceito cabem muitas  - todas, aliás - interpretações particulares possíveis sobre esse mesmo conceito: por "folha" podemos entender uma folha grande ou pequena, amarela ou verde, recordada ou redonda, etc., etc.

Voltando ao nosso exemplo, quando o Sr. Dr. diz a palavra "folha" está, por exemplo, a referir-se a uma folha em particular; já o Sr. Eng.º, quando ouve a palavra "folha" vai aplicar o conceito à sua interpretação própria do que é uma folha. Ou seja, apesar de ambos partirem do pressuposto de que se "entendem perfeitamente", um pode estar a referir-se a folhas verdes e pontiagudas enquanto que o outro imagina folhas quadradas e amarelas. Se no caso das folhas as consequências são despicientes na maioria dos casos, a trama complica-se quando começamos a falar de conceitos que são mais difíceis de transmitir: enquanto que uma folha pode desenhar-se num papel já,  por exemplo, a ideia de "honestidade" é de explicação mais complexa. Como desenhá-la? Não podemos. Assim, quando o Sr. Dr. fala de alguém que é honesto, o Sr. Eng.º tem um conjunto enorme de premissas, mais ou menos coincidentes com as do Sr. Dr. para compreender ao que aquele se refere por "honestidade". Agora, imagine-se uma conversa onde estas discrepâncias vão aumentando, de forma imparável, a cada nova palavra - representando um diferente conceito - que se introduz na conversa. Invariavelmente, ao final de algum tempo, o Sr. Eng.º vira-se e exclama "espere aí que agora não compreendi", ao que o Sr. Dr. tem que afinar o discurso, apurar a conversa com conceito sobre conceito para, uma vez esclarecidas as dúvidas, o Sr. Eng.º o poder acompanhar. Agora, imaginemos, o Sr. Dr. começa a falar de conceitos ainda mais abstractos e que podem significar coisas completamente diferentes para o Sr. Eng.º: falar sobre o "bem", por exemplo; ou a "liberdade"; ou, quiçá, a "justiça". Cada um destes conceitos pode ter interpretações completamente diferentes: para o Sr. Dr. "justiça" pode significar "a cada um o que merece na sua particularidade", por exemplo, enquanto para o Sr. Eng.º, "justiça" pode significar "a mesma pena para todos". O que se tira daqui é que comunicar é uma arte verdadeiramente difícil: e quanto mais complexos os conceitos, mais difícil ela se torna.

Agora imaginemos que a conversa não é apenas entre o Sr. Dr. e o Sr. Eng.º mas é já um debate em que dezenas de pessoas estão envolvidas. Cada um com os seus conceitos. Pior: que é um debate público onde um país inteiro, cada um com a sua sentença e a sua interpretação, anda a tentar perceber o que fazer da sua vida. Imagine-se Portugal, onde uns adeptos da interpretação de "liberdade" e "justiça" como a igualização absoluta da propriedade por todos os cidadãos (como a esquerda radical) andam a "comunicar" com outros que entendem por "justiça" e "liberdade" que cada indivíduo deve ter a possibilidade de fazer o que bem entender da sua vida e dos seus bens. Aqui a comunicação é já uma guerra de surdos onde cada um ouve nas palavras dos outros o ataque às suas próprias convicções. Nesse debate, a interpretação do mundo que cada parte tem é tão diferente da outra que nem conseguem concordar sobre o que é o mundo; sobre o que é real. Sobra uma luta sobre o que cada parte entende que o mundo deve ser.

É forçoso que se compreenda que a nossa interpretação do mundo, do real, assenta, primeiro, sobre os conceitos que formamos por nós próprios através da interpretação particular que lhes atribuímos (decidimos o que significa uma folha ao olhar para elas) e, segundo, através dos outros conceitos mais abstractos cujo valor e significado nos é transmitido por quem nos educa (honestidade, liberdade, etc. são coisas que os valores transmitidos nos ensinam). A nossa interpretação do mundo é, portanto, uma amálgama altamente complexa - e única na sua particularidade - de abstracções humanas, bem como de valores particulares, acerca do é o mundo ou do que ele deveria ser. "Que é então a verdade?", questiona-se Nietzsche para logo responder que configura "um exército móvel de metáforas, de metomínias, de antropomorfismos, numa palavra, uma soma de relações humanas que foram poética e retoricamente intensificadas, transpostas e adornadas e que depois de um longo uso parecem a um povo fixas, canónicas e vinculativas: as verdades são ilusões que foram esquecidas enquanto tais, metáforas que foram gastas e que ficaram esvaziadas do seu sentido, moedas que perderam o seu cunho e que agora são consideradas, não já como moedas, mas como metal."(2) Que nos diz o Filósofo aqui? Que a nossa interpretação do mundo se baseia numa interpretação (a nossa) assente num conjunto imemorial de outras interpretações. A probabilidade de nos entendermos de facto é, portanto, muito reduzida.

É preciso ver que toda esta dificuldade nos diz alguma coisa. Diz-nos, por exemplo, que o desígnio da esquerda progressista que insiste num mundo harmónico onde cada indivíduo, através do Estado, encontra as suas necessidades plenamente satisfeitas, é uma impossibilidade. É uma impossibilidade porque os indivíduos nunca vão concordar sequer sobre o significa - ou mais correcto será dizer-se: deverá significar - "Estado", "indivíduo", "necessidades" ou "satisfeitas". É esta simples incompreensão da complexidade humana que a esquerda não consegue ultrapassar: para eles o Homem é plano, a Verdade é óbvia e todos podemos, de alguma forma, descobri-la. Quanto mais não seja à força: és livre de ser tão livre como eu entendo que "ser livre" significa.

O politicamente correcto é uma forma desta imposição: uma rejeição de outras formas de interpretar o mundo que não estão de acordo com a da maioria. Outra bem fácil de analisar, é a histeria que por aí vai a propósito da austeridade imposta pelo governo; por aí apelida-se o Primeiro-Ministro e o Ministro das Finanças de "ladrões" que querem, de sua livre vontade, impor sevícias terríveis à população. Faz-me lembrar aqueles que acusavam os discos de heavy metal dos anos oitenta de terem mensagens escondidas de apelo ao suicídio. Perguntava-se, e bem, o Bill Hicks sobre qual seria a banda de rock que quereria ver os seus fãs (e a sua fonte de rendimento) mortos. O mesmo se poderia perguntar sobre qual o PM que quer perder as próximas eleições apenas por desejar roubar escandalosamente a sua população. Tudo isto apenas demonstra a incapacidade de comunicar entre diferentes visões da sociedade: quando não há capacidade de se encetar um debate racional recorre-se à violência da agressão verbal. E a seguir a esta vem normalmente a física.

Parece-me que é precisamente aqui que a visão conservadora-liberal tem algo para oferecer à sociedade: é preciso compreender que se queremos ter uma sociedade que seja bem sucedida, onde temos que centrar o debate será, em primeira instância, sobre o que vamos assumir como a nossa verdade; ou seja, quais são as nossas interpretações, enquanto país, dos conceitos básicos que presidem a uma comunidade política: o que entendemos por liberdade ? O que entendemos por justiça? Em suma: quais são as interpretações particulares sobre os valores fundamentais que queremos advogar. A isto se dá o nome de ideologia; aquela que os mais ignorantes afirmam ter morrido ou não haver espaço para ela.

O facto é que ter um debate público onde os marxistas-leninistas adversários da propriedade privada andam a discutir economia com os adeptos do mercado-livre e da liberdade individual não serve para nada a não ser para andar a lançar palavras vazias de sentido que configuram uma máscara sobre as ideologias que lhe estão subjacentes. É por isso que o debate ideológico é tão fundamental: apenas depois, entre aqueles que partilham um consenso sobre o que deve ser a sociedade, podemos discutir com profundidade as opções práticas sobre como obter melhor resultados com vista aos nossos objectivos particulares. Desmascarar a extrema-esquerda é pois fundamental: apenas quando, já nos idos de 1975, ela revelou a sua verdadeira face, os Portugueses compreenderam verdadeiramente o que estava em jogo e a rejeitaram. Ela está aí de volta agora mas, sabida e aprendida, esconde-se por detrás da máscara de um discurso não-ideológico populista. Acalentam a esperança de atingir o poder aproveitando-se do triunfo da ideia perigosíssima de que não há ideologias. O debate ideológico revela as intenções de cada grupo político; afirmar que não há ideologias (quando a própria interpretação do real é afectada pela ideologia) é apenas continuar a permitir que o debate político se trave numa arena escondida por detrás de uma opaca cortina de fumo.

O passo seguinte é o de definir o terreno de jogo político: e este é o dos factos. Se é certo que a verdade no seu sentido lato é imperscrutável, não deixa de ser igualmente certo que dois e dois são quatro e que, num sentido restrito, pela experiência e pela ciência, há certos factos que se podem aferir. Ora, como já vimos, cada conceito (logo também cada facto) pode ser interpretado de forma mais ou menos benevolente consoante a interpretação do mundo que lhe está subjacente tal como, não menos importante, o interesse que lhe assiste: cada político interpreta uma tabela de excel de forma diferente puxando a brasa à sua sardinha. É aqui que se exige que haja uma imparcialidade no debate: no oferecer-se ao público, incapaz de interpretar por si próprio os complicadíssimos conceitos que estão a ser debatidos, uma explicação clara sobre qual é a verdade particular que está ser discutida. É este o fundamental papel dos media: estipular as regras do jogo e aferir da plausibilidade de cada versão em debate.

Infelizmente, tudo isto tem falhado em Portugal de forma clamorosa: os media não apuram nada, limitam-se a papaguear slogans que lhe são oferecidos por agências de comunicação quando, pior, não representam as próprias vontades e interesses dos jornalistas ditos "de causas"; os políticos, porque mal preparados e sem uma visão consistente e profunda do mundo, são incapazes de ter uma proposta de futuro para a sociedade precisamente porque caem na falácia superficial de que as ideologias morreram; finalmente, o povo, verdadeiramente entalado entre políticos impreparados e um acesso limitadíssimo à boa informação (aquela que medeia e modera imparcialmente os diversos interesses em jogo expondo-os), vê-se sem capacidade de fielmente interpretar a realidade ao mesmo tempo que não percebe as verdadeiras diferenças entre as diferentes opções que lhe são propostas. No final, é o perfeito resultado de uma comunidade que, tendo rejeitado a última interpretação do mundo que lhe tinha sido imposta (o Deus, Pátria e Família de Salazar) ainda não conseguiu nos últimos quarenta anos preencher esse vácuo: que nem um barco à deriva, num mundo onde apenas os valores partilhados podem oferecer a segurança de uma âncora, está Portugal órfão de uma verdade.


(1) Friedrich Nietzsche, Acerca da Verdade e da Mentira no Sentido Extramoral [1873], Relógio d'Água (2010), p. 220
(2) Ibidem, p. 221

WHY PHILOSOPHY MATTERS (II)

"It is true that every being strives as much as it can to persist in its existence and if it is true that the existence as a thinking being consists in thinking (in accordance with the Cartesian identity claim: cogito, ergo sum): then it quite naturally follows from this that every thinking being must strive as much as it can to think; ... Even those who despise thinking must admit this truth, if they would only pay attention to themselves. All human activities are, as such, simply more or less thinking."

Salomon Maimon, Essay on Transcendental Philosophy (1790)

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

UM DOMINGO EM LEUVEN

Durante a noite, à porta de casa


A minha rua, Naamsestraat, de manhã.

                          

                                        Na Naamsestraat, a caminho do Grote Markt



                                                  Na Collegeberg, rumo ao Oude Markt


                                                                        Oude Markt


                                                                      Oude Markt


                                                            Esplanada no Oude Markt


                                                                    Grote Markt


                                                          Canal na Amerikalaan


                                                                   Brusselstraat


                                                                     Grote Markt


                                        O meu bar preferido, o Cafe Amedee, na Muntstraat


                                              Boneco de neve em frente do Amedee


                                       Centrale Bibliotheek (Biblioteca Central de Leuven)


                                                         Monseigneur Ladeuzeplein


                                       A entrada do Hoger Instituut voor Wijsbegeerte
                               (Instituto Superior de Filosofia) na Kardinal Mercierplein


                                                     Hoger Instituut voor Wijsbegeerte


                                A entrada da biblioteca do Instituto, o meu local de trabalho.


                                     Herbert Hooverplein, com a Biblioteca Central ao fundo


                                                     A caminho de casa, pelo parque.


                                                                         Parque infantil


                           Na Vlamingstraat, de costas para a minha rua, quase a chegar a casa
                                     na Naamsestraat (o parque fica do lado esquerdo).


                                Minha proposta para um postal de boas vindas a Leuven.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

THE BARBEQUE


JANELA DE OPORTUNIDADE

Estou honestamente muito apreensivo com o nosso futuro bem-estar económico; e não é apenas com Portugal. Lá longe, mas em termos económicos tão perto, nos EUA continua a imprimir-se dinheiro e a evitar fazer-se o ajustamento económico que se exigiria que fizessem: também os Estado-Unidenses, mais cedo ou mais tarde, terão que tratar da dívida astronómica que têm e, quanto mais tarde o fizerem, maior será a brutalidade das consequências desse ajustamento. Obviamente, a Europa - e em particular, Portugal - no estado de fragilidade que se encontra será particularmente afectada. É por isto mesmo que em Portugal não há tempo a perder: se não fizermos as reformas que nos permitam ter as nossas contas públicas equilibradas - de forma sustentável - e baixarmos de forma significativa a carga fiscal, estimulando dessa forma a economia, corremos o sério risco de ter que fazer as exactas mesmas reformas num clima internacional muito mais adverso - e este já não é bom. Infelizmente, no entretanto, continuamos com uma oposição alienada da realidade e com os caciqueiros de serviço no PSD meramente preocupados com os seus interesses comezinhos politiqueiros. Não é fácil, de facto, a tarefa do Governo. Ao mesmo tempo, a manutenção do Dr. Relvas no dito também não augura grande coisa. Enfim, no final, sobra mesmo a esperança: a janela de oportunidade é curta e espero que a aproveitemos.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

OS BOICOTADORES

Toda a histeria em redor do Relatório do FMI é paradigmática do nível do debate público em Portugal. Se é certo que o relatório, como todos, há-de ter virtudes e defeitos, soluções e imperfeições, boas propostas e más propostas, também deveria ser certo que um relatório é uma base de estudo, de trabalho e, obviamente, de debate. Mas que faz a oposição e a esquerda (o PS em particular)? Gritam e esbracejam que o relatório é "uma vergonha"; indignam-se porque o relatório existe. Extraordinário. Pior: atiram-se logo as feras de ocasião ao Secretário de Estado Moedas porque este afirmou que o relatório "está bem feito". Um crime lesa-pátria, evidentemente. Não é preciso mais nada para se compreender como o debate sobre conteúdo do dito relatório - que é fundamental para o futuro imediato do país - morre à partida. O que deveria ser óbvio, mas que aparentemente não é, sobre o relatório é que este configura um conjunto de propostas que, após o devido estudo e debate, poderão ser ou não implementadas, de uma ou outra forma, pelo Governo. A existência do relatório só pode merecer elogios sobre a tentativa do Governo se alicerçar no melhor conhecimento possível (e transparente) antes de tomar decisões. Mais: serve o relatório para se debaterem possibilidades e alternativas. Infelizmente, impossibilitando a livre troca de opinião, para a esquerda jacobina a mera existência de certas alternativas é indigna da Democracia, da liberdade, da Pátria e sei lá mais o quê. Pior: que outras alternativas propõe a esquerda socialista? Nenhuma. Qual o caminho que os críticos do relatório (veja-se o ridículo da situação) apresentam? Que propostas apresentam os críticos do relatório para além de criticar o Governo por ter um relatório em sua posse com propostas sobre as quais não se pronunciou e que poderá, ou não, estar na base de eventuais medidas legislativas futuras que desconhecemos? Zero. Enfim, o ridículo no seu expoente máximo.

Para ver se nos entendemos vou ver se consigo explicar com clareza e simplicidade o que se passa no Portugal de hoje: vivemos uma situação onde o Estado está falido (as receitas são menores que as despesas) e onde o seu financiamento que permite o regular funcionamento da economia (e das instituições) é assegurado por intervenção estrangeira; por forma a reganharmos a independência económica  - e podermos continuar a pagar os salários da função pública, ter as escolas e os hospitais em funcionamento, polícias nas ruas, etc. - precisamos, portanto, de equilibrar as receitas com as despesas para que nos possamos financiar nos mercados internacionais. Ora, para isto há dois caminhos possíveis, sejam eles alternativos ou complementares: ou se aumentam as receitas através de impostos (e a oposição está contra) ou se corta nas despesas (e a oposição está contra também). Como é evidente, isto não é um debate: é um impasse. Para desatar este nó górdio precisamos, portanto, de perceber um raciocínio muito simples:

a) Se não equilibrarmos o deficit do Estado entre as receitas e as despesas não temos acesso a financiamento externo (nem dos mercados que apenas emprestam dinheiro a juros muito altos com medo de que uma falência futura nossa impeça os ditos mercados de recuperarem o dinheiro que nos emprestarem; nem conseguimos também renovar a seguir o empréstimo da troika - que é a única alternativa aos mercados - porque contas públicas desequilibradas configuram o incumprimento do Memorando de Entendimento). Ora, sem financiamento, o Estado entra em falência bem como a saída do Euro torna-se inevitável levando a um caos generalizado através de uma super-inflação galopante que nos levará a uma penúria súbita, extrema e impossível de evitar. A única vantagem deste cenário é que as contas públicas ficarão automaticamente equilibradas pois sem financiamento exterior o Estado não pode mesmo gastar mais do que recebe.

b) Assim, temos como alternativa plausível e desejável equilibrar as contas públicas para conseguirmos financiamento para o Estado e para a nossa economia.

c) Para equilibrar as contas públicas precisamos de aumentar receitas (impostos) e/ou diminuir despesas (gastos do Estado).

d) O aumento de impostos, além de ter consequência muito negativas para o crescimento económico, já não é uma solução pois estamos num ponto em que aumentar a carga fiscal não é eficaz, pelo contrário, graças à recessão, a uma maior evasão fiscal, etc, as receitas fiscais estão permanentemente abaixo do esperado; e quanto menos receita fiscal houver, mais na despesa do Estado se tem que cortar.

e) Assim sendo, sobra o fundamental e inevitável corte na despesa: ou se diminui a despesa, ou se perde o futuro acesso ao financiamento exterior. Não é bonito, não é desejável mas é inevitável (se quisermos continuar no Euro e desejarmos evitar as terríveis consequências que o incumprimento traria).

f) A questão que sobra - e a qual se deve debater - é que despesas cortar? Ou seja: como reformar o Estado de forma a que este apresente no final de cada ano despesas comportáveis com as receitas que temos? Ou seja: qual é o Estado que a produção nacional consegue suportar? Acrescente-se que oitenta por cento da despesa pública ocorre com o funcionamento do Estado e com as prestações sociais (ou seja, fundamentalmente: função pública + Educação + Saúde) logo qualquer reforma terá que considerar sempre alterações nestas vertentes.

É este o debate que se tem que fazer. Os políticos não são magos e a sua actividade é gerir o possível, o que existe; lidar com a realidade, portanto. Assim sendo, a decisão política é que vai escolher onde aplicar os escassos recursos existentes, onde se vai cortar. É a política que vai decidir o que é fundamental e o que é acessório; o que pode ser feito de outra forma e o que não se consegue alterar; onde podemos poupar e onde temos que investir. É precisamente aqui que um debate racional pode ocorrer pois haverão sempre diferentes formas de lidar com esta necessidade imperiosa de reformar o Estado e diminuir a despesa pública: é que há reformas e há reformas. Agora, gritar sobre a indignidade de um relatório como a esquerda na sua generalidade fez, dizer que não se debatem os cortes do Estado como o PS fez ou andar a criticar os sorrisos ou esgares de um Secretário de Estado como o inimaginável presidente do Instituto Sá Carneiro fez, tudo isso é simplesmente boicotar o debate sobre o que de mais fundamental é necessário fazer na política nacional: resgatar a independência económica. Triste é ver como os interesses comezinhos de facção das esquerdas, do PS ou destes opositores de oportunidade como Carreiras se sobrepõem ao interesse nacional. Resta saber se propositadamente ou se por uma pobre e indigente incapacidade de saber separar o essencial do acessório e perceber a real dimensão do imbróglio em que estamos enfiados.

sábado, 5 de janeiro de 2013

PEOPLE PERSON

                                                                           Daqui.

INFANTILIDADE

Considerando isto torna-se evidente que o maior problema da sociedade contemporânea é a sua imaturidade: é óbvio que, no mimo da riqueza, na acomodação da ausência de necessidade e na ilusão do fim da história, perdemos o maior ensinamento que a História nos dá: a única solução é aquela que afirma não haver solução. Tudo o resto são utopias de adolescentes mimados que na crença infundada de mudar o mundo - e o Homem - vão acabar a destruir a riqueza do berço da mais bem sucedida civilização da História da Humanidade.

PARADOX

"True words always seem paradoxical but no other form of teaching can take its place".

Lao-Tse (~ 600 BC)

OS ADOLESCENTES

Hoje apercebi-me de que a irritação que a generalidade abstracta dos adolescentes me causa é a mesma que o freakshow mediático em que se tornou a sociedade contemporânea: um bando de ignorantes a berrar banalidades uns aos outros arrogantemente convencidos da sua própria infalibilidade na solução do mundo ao mesmo tempo que, na preocupação com a sua própria imagem, umbigo e demais irrelevâncias, tudo o que realmente importa lhes passa perfeitamente ao lado.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

PHASE ONE

                                                                         Daqui.

THE ART OF LIVING

"But not only medicine, engineering, and painting are arts; living itself is an art - in fact, the most important and at the same time the most difficult and complex art to be practiced by man. Its object is not this or that specialized performance, but the performance of living, the process of developing  into that which one is potentially. In the art of living, man is both the artist and the object of his art; he is the sculptor and the marble; the physician and the patient. (...) It is interesting at this point to ask why our time has lost the concept of life as an art. Modern man seems to believe that reading and writing are arts to be learned, that to become an architect, an engineer, or a skilled worker warrants considerable study, but that living is something so simple that no particular effort is required to learn how to do it. Just because everyone "lives" in some fashion, life is considered a matter in which everyone qualifies as an expert. But it is not because of the fact that man has mastered the art of living  to such a degree that he has lost the sense of its difficulty. The prevailing lack of genuine joy and happiness in the process of living obviously excludes such an explanation. Modern society, in spite of all the emphasis it puts upon happiness, individuality, and self-interest, has taught man  to feel that not his happiness (or if we were to use a theological term, his salvation) is the aim of life, but the fulfillment of his duty to work, or his success. Money, prestige, and power have become his incentives and ends. He acts under the illusion that his actions benefit his self-interest, though he actually serves everything but the interests of his real self. Everything is important to him except his life and the art of living. He is for everything except for himself."

Eric Fromm, Man For Himself (1947)