sábado, 25 de maio de 2013

DO OPTIMISMO

Se se quer ter uma boa demonstração do intrínseco optimismo decorrente de uma quase inabalável crença no progresso tecnológico como algo inevitável e rápido basta pensar-se que a Odisseia de Kubrick passa-se em 2001 e a acção de Blade Runner em 2019. Até mesmo o cúmulo do pessimismo - a catástrofe distópica do fim da civilização - de Terminator previa que os computadores acordassem em 1997. Entretanto, em 2013, o vai-e-vem espacial foi descontinuado, o Concorde abatido, os carros não voam, as pessoas ainda comem e bebem (cada vez mais), a CDU continua com 10% dos votos e, imagine-se!, uma revolucionária alternativa ao papel higiénico ainda não apareceu. Futuro? Qual futuro?

4 comentários:

ADEK disse...

Realmente, pensando na quantidade de futuros apocalípticos vistos em filmes a que já sobrevivemos, é caso para ficar um pouco mais descansado...

Nuno Lebreiro disse...

Daqui a dois anos aparece-nos o Doc Brown no seu Delorean ;)

Anónimo disse...

O futuro é hoje ;-)
S.

Nuno Lebreiro disse...

http://pensamentosdesblogueados.blogspot.be/2013/01/nocoes-panteistas-iv.html