Pensamento, m. - Acto ou efeito de pensar. Qualquer acto de inteligência. Fantasia. Ideia. Espírito. Uso da razão. Reflexões

segunda-feira, setembro 30, 2013

RESPONSABILIDADES

Os senhores da distrital de Lisboa do PSD já se demitiram?

A POSTERIORI

Alguns apontamentos sobre os resultados eleitorais de ontem:

1. Em Oeiras, um ex-inspector da Polícia Judiciária foi encavado por um indivíduo que foi festejar para a prisão da Carregueira. Esta contada aqui na Flandres e ninguém acredita.

2. No Porto, ganharam as boas contas contra o despesismo populista que vinha do outro lado do Rio. Esta contada aqui há uns dias atrás e também ninguém acreditava.

3. Em Sintra, o PSD de Lisboa e nacional fartaram-se de gerir a câmara e resolveram deitá-la fora.

4. Em Gaia, o PSD achou melhor, já que perdia o Porto, deitar fora a câmara também. Resultado: o independente que candidatou ficou taco a taco com o social-democrata independente... no segundo e terceiro lugar.

5. Entretanto, em Loures, prepara-se a ditadura do proletariado.

6. No Alentejo, é a CDU quem mais ordena.

7. Em Lisboa, a máquina do PSD levou uma tareia monumental: valeram mesmo a pena todos os processos legais contra a lei de limitação de mandatos para impor uma candidatura que teve 22% dos votos? Se há inabilidade e amadorismo evidente em política este é um exemplo evidente.

8. Em Faro, o povo não ficou assim tão zangado com o partido do Macário e não deu a vitória ao PS.

9. Em Braga, o outro Rio finalmente ganhou.

10. Na Madeira, não se ouviu João Jardim.

NOITE ELEITORAL

Ontem, do exílio belga, fui comentando a noite das estrelas autárquicas no Facebook. Aqui ficam as bocas e os apontamentos:

21h00 (hora belga) - Este Luís Delgado, na SIC Notícias, é de rir: no Porto, com a direita dividida entre duas candidaturas fortes, diz-nos este "comentador independente" que Seguro se perder por poucos tem um grande resultado. Já Menezes imagino que ganhar (dividindo o seu tradicional eleitorado) seria uma obrigação. E se, muito possível, ganhar Moreira será uma derrota catastrófica do Governo. Uma análise independente, claro.

21h15 -  No Porto parece-me que o povo escolheu sabiamente; já em Lisboa, a verdadeira dimensão de um descalabro (que se anunciava) deixa-me absolutamente boqueaberto.

21h41 -  O Telmo Correia, onde se mete, dá sempre asneira.

21h42 -  A Judite de Sousa já abriu o espumante?

21h57 -  Com este resultado, se o Fernando Seara queria ir para o Parlamento Europeu, já só vai como assessor. Vá, pronto, chefe de gabinete.

22h06 -  O ambiente no Altis, na candidatura do António Costa, é de profunda partilha com os lisboetas.

22h09 - E na candidatura de Seara já devem estar todos em Cascais, onde trabalham.

22h15 -  O Marques Mendes, na SIC, faz muito bem o seu papel de não parecer nada feliz com a derrota de Menezes no Porto.

22h20 -  A CDU ganhou Cuba.

22h41 -  Naturalmente, o PS, no Porto, face a uma candidatura onde o presidente não se recandidata e o seu eleitorado se divide em dois, naturalmente, repito, o PS - e Seguro - não sofrem aí nenhuma derrota. Entretanto, Manuel Alegre discursa em directo a falar da vitória do PS nas autárquicas e como futura alternativa de governo do país. Naturalmente.

22h49 -  Ah, este Pizarro, coitadinho. E o PS não teve uma derrota na câmara do Porto?

23h20 -  Aquele desgraçadinho que falava como porta-voz do PS deu uma bela imagem de alternativa governativa.

23h28 -  É o Louçã Jr. que fala pelo bloco de esquerda?

23h33 -  Em Oeiras ganha a candidatura que tentou apresentar um presidiário condenado - e a cumprir pena - a candidato à Assembleia Municipal. Está bem entregue, o município.

23h34 -  Quem quiser vistos para a Coreia do Norte dirija-se ao gabinete do novo Presidente da Câmara Municipal de Loures sff.

23h44 -  Insatisfeito com a cobertura da SIC mudámos para a TVI e depara-mo-nos com a Teresa Guilherme aos gritos. A TVI já não cobre actos eleitorais. Sim senhor, apesar de a qualidade não ser muito diferente de alguns candidatos autárquicos, a escolha não deixa de ser deplorável (mas bem indicativa). Execrável.

23h48 -  E na SIC passa a passar uns tristes aos saltos. Confere.

23h50 -  Resta-me registar que, para aqueles que não têm cabo, não há "direito" a noite eleitoral. Eram a SIC e a TVI que diziam que não queriam os canais de notícias na TDT?

00h05 -  Portanto - e não é influenciado certamente pela Beatriz Soares Carneiro -, o CDS, que aumentou em 500% os seus presidentes de câmara e apoiou o Rui Moreira no Porto, safou-se muito bem. Ele há estratégias que, mesmo estando no Governo, dão resultados positivos afinal.

00h13 -  Quantos eleitores socialistas estarão agora, enquanto ouvem o discurso - e os resultados - de António Costa em Lisboa, a pensar que preferiam ver António Costa à frente do PS em vez do Tozé dos devaneios inseguros.

00h16 -  Já eu, como militante do PSD do distrito de Lisboa, estou muito impressionado com o trabalho estratégico da máquina aparelhística social-democrata. Mesmo. Pior era difícil.

00h44 -  Porto just got dunphied.



















00h45 - O Seguro acabou de ler um poema de Manuel Alegre?

00h56 - Amanhã, em Loures.



01h27 -  Em Sintra, o desvario do PSD Lisboa (e nacional) dá uma abébia ao socrático-ex-centrista-novo-socialista Basílio Horta ao candidatar o desaparecido-em-combate Pedro Pinto contra ao sintrense Marco Almeida e oferece emoção à noite eleitoral. Certo mesmo, apenas a passagem do PSD a terceira força mais votada.

01h30 -  O Bloco de Esquerda hoje perdeu 100% das câmaras municipais que detinha. Vá lá, menos mau.

01h34 -  O Bloco de Esquerda (que perdeu 100% das câmaras municipais que detinha) reclama por não ter tido cobertura televisiva. Ou seja, o BE sem televisões não é nada.

01h43 -  Na Madeira estão 18º. Deve ser a Primavera (outonal) a chegar.

01h57 -  Sintra é que é!

02h05 -  Entretanto, na SIC notícias entram em acção os palhacinhos de serviço. Isto de acompanhar os resultados eleitorais só pela net mesmo.

02h16 -  O sucessor do presidiário de Oeiras é um portento de oratória.

02h31 -  O Basílio Horta, como bom socialista, vai "estudar" como proteger a costa de Sintra. Depois fala dos amigos. Confere. Faltou gritar PS com os seus amigos.

02h45 -  E pronto: em Bruxelas são 2h45. Roger and out.

sexta-feira, setembro 27, 2013

TAXAÇÃO E REPRESENTAÇÃO

Depois destas autárquicas, como sempre plenas de promessas e festanças (o campeão da festa deve ser Carreiras em Cascais e o chefe da promessa Menezes no Porto), faz-me estar cada vez mais certo de que o simples princípio que levou à revolução americana, a saber, no taxation without representation, deveria ser aplicado também na sua forma invertida: isto é, se os americanos reclamavam que não queriam ser taxados por Londres sem terem direito a representação no parlamento, também nós deveríamos exigir que nenhum dos nossos representantes fosse financiado de outra forma que não a taxação directa. Ou seja, acabe-se com o financiamento das câmaras municipais por via do orçamento geral do Estado e obrigue-se os senhores autarcas a financiarem-se exclusivamente por impostos directos sobre as empresas e os seus munícipes. Assim fosse e seria ver o pagode, depois de pagar os seus impostos, a ir lampeiro para a festa e para o foguete. Ou talvez não: é que a melhor forma de acabar com o despesismo é garantir que os profissionais da cacicagem são obrigados a assumir perante quem os financia - ou seja, perante os contribuintes - que lhes estão a ir ao bolso. Também seria agradável garantir que os desvarios dos Menezes desta vida fossem pagos pelas populações que tiveram a falta de tino de os eleger: por que razão teremos todos nós que não vivemos em Gaia de pagar a dívida que aquele lá deixou? Mais: com esta reforma, autarca que mais gastasse mais teria que taxar os seus munícipes correndo, por essa razão, o risco de perder eleitores: é que a malta não gosta de pagar impostos. E assim seria mais popular baixar impostos (e poupar dinheiro público) em vez do imoral esbanjamento no foguetório, na festa ou no concerto a que todos vamos assistindo. Claro está que tamanha reforma nunca será posta em prática porque vai directamente contra duas coisas absolutamente basilares do regime socialista em que vivemos: por um lado o centralismo burocrático que nos governa e que muitos enriquece; depois porque as autarquias configuram a principal porta de entrada do financiamento partidário e, fruto desse poder, nunca veremos os senhores autarcas a querem ser alvos de tanto escrutínio e a perderem a mais absoluta impunidade em que agora alegremente vão vivendo.

DA CACICAGEM

Acho muita piada a ver as declarações solenes de apoio político ao candidato A ou B por parte de pessoas que devem o seu salário mensal, ou a sua colocação actual, ao candidato A ou B.

SIM, ISTO

(especialmente aqueles iluminados que não sabem quando utilizar um "à" ou um "há" e que destilam comentários no Facebook cheios de certezas opinativas)

quarta-feira, setembro 25, 2013

NO EXÍLIO

Longe das trombas dos caciques locais que precisam, pedem, suplicam ou, pior, exigem os nossos votos, vou até Bailly para ler o meu livro em paz, enquanto bebo uma (ou duas) tripel karmeliet. É uma estranha - e triste - sensação de alívio, esta que me assalta ao ver-me longe da claustrofóbica mediocridade política, mediática e burocrática tuga.

quarta-feira, setembro 04, 2013

TWARFLE TO MY FLUCKR


A CIDADE E OS CAMPOS

De regresso à metrópole apetece-me comentar: na cidade, essa bolha que nos separa do mundo de predadores e caçados, tudo gira a uma enorme velocidade. Aí, na cidade, a única constante das nossas vidas somos de facto nós próprios: tudo o resto muda num constante fluxo de eterna (ilusória, é certo) mudança. Mas no campo, imersos no mundo verdadeiro, aí, a estória é outra: parados, debaixo de um chaparro ou em cima de um monte, deparamo-nos com um cenário que não muda, um cenário que é constante. E aí, na presença do imutável mundo que nos engole compreendemos que quem varia, que quem representa o movimento e a mudança, somos afinal nós. O contraste não poderia ser maior: na cidade, sendo nós a constante, agarramo-nos ao certo, ou seja a nós próprios: daí o individualismo, o egoísmo, a obsessão para que o corpo não mude, que não envelheça, etc. Já no campo, compreendendo que o fluxo imemorial que manda no mundo somos também, e principalmente, nós, então, sendo outra a constante, mergulhamos nela - no mundo - em busca da certeza que, na cidade estando em nós próprios, no campo é forçosamente exterior (e muito maior!) do que nós, é uma certeza que está nos outros e no mundo. É, por esta razão, outro mundo em que se vive: a comunidade ganha um peso que no egoísticamente individualizado mundo das mecânicas cidades nunca poderia ter. A ligação ao mundo, aos ciclos das noites e dos dias, das Primaveras e dos Verões, ganha uma força que nos transcende e nos inspira. Enquanto isso, na cidade, dentro de um centro comercial, nem se sabe se faz sol ou lua. Aí, as luzes eléctricas escondem a via láctea e as estrelas às quais pertencemos. No campo, vive-se e morre-se ao ritmo do mundo; na cidade, as crianças mimadas irritam-se por haver falta de morangos no Inverno.

THE HANGOVER

"A large constituent of a hangover, after all, is a sense of guilt which does not seem to be guilt for anything in particular."

Herbert Mccabe, On Aquinas (2008)