Pensamento, m. - Acto ou efeito de pensar. Qualquer acto de inteligência. Fantasia. Ideia. Espírito. Uso da razão. Reflexões

quarta-feira, dezembro 11, 2013

O MANDELA DA LINHA

Hoje ofereci-me a mim mesmo o tempo para ter um prazer que já há algum tempo não experimentava: ler um artigo do Carlos Carreiras no Jornal i. Começa o "autor" por explicar que, para ele - o arauto dos simplismos e das soluções milagreiras -, o mundo divide-se em "sebastianistas" e em "mandelas". O que é um "sebastianista"? Carreiras explica: "gente que espera e desespera por um eleito que, saído de uma manhã de nevoeiro, faz o que ninguém faz, resolve o que ninguém resolveu e cumpre o que ninguém cumpriu". Já "mandelas" são aqueles que se guiam pelos princípios de Mandela, ou seja, de acordo com Carreiras, pelo "poder das ideias e a crença na acção, no potencial do homem e na mudança contra a situação". Carreiras no texto lamenta que olhe à volta e só veja "sebastianistas". Já ele, naturalmente, será um mandela. E onde vê o visionário Carreiras tanto sebastianismo? É fácil: na elite política portuguesa que, diz ele, sobrevalorizada e crente na sua infalibilidade, apenas passa a vida a inventar mitos inúteis que prometem tudo resolver para depois minarem o trabalho daqueles que verdadeiramente fazem. Imagino que Carreiras se refira àqueles que andam a lançar o nome de Rui Rio para uma futura candidatura à presidência do PSD. Mas, naturalmente, o mandela da linha não o assume: fica-se por umas pseudo-acusações que têm tanto de qualidade argumentativa como de interesse público: nenhum. O discurso de Carreiras é sempre o mesmo: o Governo é o maior, a acção comanda a vida, se acreditarmos vamos safarmo-nos e quem critica, quem ousa lançar uma alternativa, é logo rotulado de pseudo-intelectual ou pseudo-elite e descartado como o não-crente que urge combater. Porque estão o Governo e Carreiras certos e os outros errados? Já isso o mandela da linha não explica. Enfim, o costume. Continua o "autor" depois a citar umas considerações de crítica social sobre quem foi e quem não foi ao funeral de Nelson Mandela. Cita ainda umas coisas de Obama (apesar de assumir modestamente que ele próprio, Carreiras, também já tinha pensado sobre precisamente aquilo que Obama falou - naturalmente) e lembra o exemplo de Mandela - outra vez - para expressar o desejo de que o "espírito de Madiba [já só faltava a referência a "Madiba" para o cliché ficar completo] toque cada uma destas almas que nos governam": ao melhor nível do Maduro venezuelano que vê Chavez nos passarinhos que voam à sua volta, também Carreiras vem elevar Mandela à santidade de quem virá iluminar o caminho certo para os políticos mundiais. Digamos que, para Carreiras, Mandela é agora uma espécie de santo-padroeiro do político. E, Mandela nos livre, para quem vê em Mandela a solução, consegue Carreiras fazer o inacreditável: começar por dividir o mundo em "sebastianistas" e "mandelas" apenas para transformar Mandela numa espécie de D. Sebastião sobrenatural: um feito! Mas, vá lá, ao menos do arrazoado todo de palavras do mandela da linha há uma coisa que fica muito clara: não é Carreiras um sebastianista, tal como não será também, certamente, apesar das pretensões em causa própria, nenhum mandela, ou sequer um Obama: é apenas mauzinho. Azar o nosso, é o que temos.

2 comentários:

Anónimo disse...

Um político de carrreira; pelo chorrilho de banalidades e lugares comuns, ainda há-de encarreirar a primeiro ministro. Carreidiba.

Anónimo disse...

Já sabemos que em matéria de escrita e pensamento o mandela local está ao nível do interprete gestual que apareceu nas cerimónias fúnebres do verdadeiro Mandela.

JFragoso