domingo, 29 de junho de 2014

OS MAIORES, OS PIORES E OS HERÓIS-VILÕES

Portugal é um país de ódios. E, para mal dos nossos pecados, um ódio que se volta constantemente contra aqueles que tentam fazer alguma coisa de muito bom, ou os outros que se revelam como muito bons a fazer alguma coisa. Um bom exemplo dos últimos dias é o ódio ao Ronaldo: porque não fez isto, porque não fez aquilo, porque não é o melhor do mundo, porque nunca será um mito, porque não passa de um vaidoso, disto ou daquilo. De facto, porque o Ronaldo é indiscutivelmente um grande jogador de futebol, a crítica acaba por ser que "não é o melhor do mundo". Como se ele tivesse a obrigação de ser o melhor do mundo.

Já os portugueses imaginam-se os maiores do mundo mas, veja-se lá a coisa, são injustiçados por uma espécie de conspiração internacional que insiste em assim não os considerar. E depois sobra o complexo de inferioridade (motivado por um megalómano complexo de superioridade): um comentário jocoso de um jornalista estrangeiro logo causa uma comoção nacional, uma reportagem internacional menos feliz logo deriva numa petição contra esses inimigos da pátria ou a derrota num torneio internacional despeja uma torrente de infelicidade no país. Já pelo contrário, tudo em Portugal é o maior e o melhor: desde cada condutor automóvel à melhor comida do mundo, ou ao melhor sol do mundo. Por Portugal igualmente abundam as melhores praias e mares do mundo, e agora: os melhores hotéis do mundo, as melhores cidades do mundo para turismo, a melhor, e maior, onda do mundo, e claro: o melhor jogador de futebol do mundo, o melhor treinador do mundo, etc. Com tanta coisa boa só admira que o povo que habita tremendo paraíso se entretenha a destruí-lo com betão, cimento e uma desorganização aterradora, essa seguramente das maiores do mundo.

Da mesma forma, especialmente na bola, qualquer talento ou colosso mundial logo é importado para mostrarmos que temos colossos ou talentos igualmente talentosos e colossais: o "Jardel" de Coimbra, o "Cruyft" da Reboleira ou o "Bekham" de Braga. Mas não só na bola: Aveiro, por exemplo, é a "Veneza" portuguesa, tal como o Estoril era a igualmente nacional "Riviera". Disso nem a, lá está, "primeira-dama" portuguesa, apenas por ser negra, se safou: Passos Coelho está casado, naturalmente, com a "Michele Obama" portuguesa. Já o desenrascado Joaquim de Almeida, que lá conseguiu aparecer em dois ou três filmes americanos de qualidade mais do que duvidosa mas de grande projecção, foi logo apelidado do "Banderas" português. Enfim, com tanto colosso apenas admira que somente os portugueses tenham ouvido falar de tais sumidades.

A isto já aludia um Eça Queiroz, esse autenticamente grande, e igualmente autenticamente português, ao dizer que em Portugal a civilização importa-se do estrangeiro mas que, infelizmente, por ser importada, fica-nos curta nas mangas: na verdade nem o Jardel de Coimbra marcou tantos golos como o original, nem Aveiro rivaliza no panorama internacional com a cidade de Marco Polo.

E depois vem o reverso da medalha: da ânsia irrealista de querer ser o melhor do mundo, quando embatemos na realidade de que não somos os campeões do mundo, então, logo nos transformamos nos piores do mundo. Se não podemos ser os melhores, somos os piores. E, sucumbindo ao ego invertido, por nos sentirmos os piores, ao vermos aqueles que, apesar de serem portugueses como nós, se evidenciam por aí fora, que se mostram como dos melhores do mundo, logo os tratamos como uma espécie de heróis caídos: se não nos levas à glória então não serves o propósito da redenção e, por essa razão, odiamos aquilo que de melhor temos, que nos frustra ainda mais, por não ser bom o suficiente. E vilipendia-se. E chama-se nomes. E desvaloriza-se. E o que era o melhor passa a ser o pior. E, tal como a turba que escolheu o ladrão Barrabás e vilipendiou Jesus, também os portugueses vilipendiam o que têm de melhor. Portugueses os quais, aliás, têm uma igual tendência para escolher por entre aclamações grandes ladrões, esses, também, dos maiores do mundo.

É uma espécie de tragédia esta glorificação irrealista, e idealista, consequentemente transformada em crucificação igualmente desmedida. Se é verdade que temos muita coisa boa não quer dizer que esta tenha que ser a melhor do mundo. Aliás, a necessidade de nos afirmarmos como os maiores tem muito de uma paroquial afirmação complexada em relação a algo (o mundo) que, por desconhecermos, imaginamos como extraordinário e que não queremos assumir como melhor do que o pouco que vamos conhecendo que, ao ser exagerado na sua dimensão e qualidade, amplia o pequeno mundo onde nos sentimos confinados.

No fim, como os complexados neuróticos que pululam por essas redes sociais fora, sobra a importância desmedida que damos ao que pensamos que os outros pensam de nós. E talvez, paradoxalmente, quando percebermos que o mundo, mesmo sendo nós os melhores disto e daquilo, continua a não querer saber de nós para nada, talvez então, livres do peso dos nossos próprios complexos, nos libertemos para viver uma vida que, não sendo a melhor de todas, seja  pelo menos agradável, responsável, auto-suficiente e capaz de apreciar as coisas boas que vamos tendo. E, já agora, com menos indignada gritaria.

sábado, 7 de junho de 2014

DAMN RIGHT


NA LIXEIRA

Tenho-me abstido, por puro decoro, de fazer grandes comentários sobre a triste vida política nacional e, principalmente, sobre a indigente ignorância do espaço público indígena. No entanto, há comentários que não se contêm nas guelas e passam mesmo para o papel - mesmo que virtual: então o Dr. Costa, o salvador, vem pugnar pela salvação do país (que o seu partido arruinou) a apelar ao espírito reformista do anterior salvador sócrates, o pequeno, precisamente aquele que nos empenhou o futuro num desvario de corrupção e incompetência? A julgar pelos relatos que me chegam das ruas de Lisboa, Costa gosta mesmo de chafurdar no lixo mas, atenção, há limites. Sobra, no entanto, uma vantagem: em ganhando os senhores da dívida, quando daqui por dois ou três anos tivermos cá o programa de ajustamento versão 2.0, ninguém pode dizer que não foi avisado. Nos entretantos, é tentar ficar à distância porque, ao que parece tal como Lisboa, o fedor que já exala dessas supostas primárias, e sempre com tendência a piorar, é verdadeiramente insuportável.

Addendum: Uma breve nota para quem ainda não percebeu o filme: a razão pela qual não há eleições para Secretário-Geral do PS e há apenas "primárias", mesmo assumindo Seguro que se demite se as perder, é para que os "simpatizantes" amigos dos caciques que controlam o aparelho possam todos ir votar e, sem sequer ter que pagar quotas (os tempos fora do Governo são mais difíceis), espetar uma vitória estrondosa no Costa. Senão, se Seguro admite demitir-se se perder as "primárias", por que não convocar logo eleições para Secretário-Geral? Porque acha que haveriam eleições antecipadas? Alguma vez Cavaco convocaria eleições a meio de um processo eleitoral no maior partido da oposição? Nunca na vida, e Seguro sabe isso muito bem. Então, naturalmente, a única diferença prática são os ditos "simpatizantes". Vai ser de arromba.

sexta-feira, 6 de junho de 2014

A VALUABLE LESSON


ILUSÕES

Poucas coisas me causam maior perplexidade do que ver por aí tantos e tantos a criticar os corruptos dos políticos e dos governantes, sempre a berrarem de punho cerrado o quão incompetentes e ladrões os políticos e governantes são para depois, como solução, apenas continuamente proporem mais e mais leis, mais e mais meios e organismos do e para o Estado, ou seja, querem combater a corrupção e a incompetência governativa através de dar mais poder, força e meios - leia-se dinheiro - aos tais incompetentes, ladrões e corruptos dos políticos governantes que tanto criticam. É uma coisa esperta, de facto.

TRADIÇÃO E COMUNIDADE VERSUS ESTADO E UTOPIA

"Pondo a questão de outra maneira, a tradição... condensa em si mesma os frutos de uma longa história de experiência humana: fornece saber que não pode conter-se numa fórmula nem estar confinado a uma única cabeça humana, mas que é disperso ao longo dos tempos pela experiência histórica da comunidade envolvente. Tal como os preços do mercado condensam em si mesmos informação que de outro modo fica dispersa na sociedade contemporânea, também as leis condensam informação que está dispersa pelo passado de uma sociedade...: o saber de que precisamos em circunstância imprevisíveis da vida humana nem deriva da experiência de uma única pessoa, nem se contém nela, nem pode ser deduzido a priori de leis universais. Esse saber é-nos legado pelos costumes, pelas instituições e pelos hábitos de pensamento que foram moldados eles próprios ao  longo de gerações, através de tentativas e erros de pessoas, muitas das quais pereceram enquanto o adquiriam. (...) Se essas coisas boas se desintegrarem, não há maneira... de a legislação as substituir. Porque ou surgem de forma espontânea ou não surgem, pura e simplesmente, e a imposição de instrumentos legislativos para a «boa sociedade» destrói o que resta do saber acumulado que torna possível essa sociedade. Não surpreende, por isso, que os pensadores conservadores britânicos - nomeadamente Hume, Smith, Burke e Oakeshot - tenham tido tendência para não ver tensão entre uma defesa do mercado livre e uma visão tradicionalista da ordem social. É que tinham fé nos limites espontâneos colocados ao mercado pelo consenso moral da comunidade. Talvez esse consenso esteja actualmente a ceder. Mas essa cedência é em parte resultado da interferência do Estado e é certamente improvável que seja curada por ele. foi precisamente o êxito da falácia do planeamento [central] na criação de enormes máquinas de poder e influência, a galopar descontroladas para o futuro, que levou à erosão do consenso que coloca um «nós» genuíno no centro da política".

Roger Scruton, As Vantagens do Pessimismo (2011), pp. 124-6

quarta-feira, 4 de junho de 2014

DAS PENAS E SACRIFÍCIOS

Duma coisa em que ando a trabalhar (outra vez) mas que está dentro do tópico dos últimos posts:

"... Mas não é esse o nosso caminho, não apenas porque a velocidade é inimiga da qualidade mas também porque andar a contar as coisas a correr prejudica, ou impede mesmo, a profundidade do relato. Afinal, depressa e bem, não há quem. Além disso, dirão ainda outros, o mais importante da vida é aceitar que é a viagem que vale as penas e os sacrifícios, e não o destino, ou o fim. Senão, fossem os resultados apenas aquilo que interessa, fossem os fins, e não os permeios, aquilo que contasse, e todos os leitores se voltariam logo para as páginas finais dos livros, afinal de contas, para quê perder tempo com tretas quando podemos ficar logo a conhecer o final da estória? Se dúvidas houvesse de que é no aproveitar o caminho, mesmo com as pedras onde vamos tropeçando, ou melhor, principalmente com as pedras que se nos vão atravessando pela frente, é na viagem, nos durantes, nos entretantos, na perseverança e na subsistência, em suma, na existência, para não dizer mesmo: na vivência, que se faz a vida e não, como os marquetistas tanto nos fazem acreditar, que é sempre com a próxima página, no capítulo seguinte, a correr, depressa, vamos lá, é sempre ali, no momento seguinte àquele em que estamos agora, que residirá a felicidade da vida ou, no que concerne a presente metáfora, o gozo de um relato literário. Assim fosse e, em última instância, para os pobres humanos, a felicidade residiria apenas na campa, talvez naqueles dizeres gravados na pedra que fazem companhia aos cadáveres em decomposição. Aí, no verdadeiro e triste fim, parece-nos a nós que a haver felicidade apenas esta existirá nos ecos recordadores dos entretantos que àqueles, agora ali finados, em dias passados lhes aconteceram. Por isso, lembremo-nos nós dos que já foram, guardêmo-los em mente, para que possamos, nem que seja por respeito à sua memória, aproveitarmos nós o luxo da existência, mesmo quando a malandra teima em não nos fazer as vontades todas".

SOMETHING TO BE



John Lennon, Working Class Hero (1970)

OS VENDEDORES DE SONHOS


Curiosamente, facto estranho e que merece a mais atenta e precisa investigação, é precisamente de imposições sobre o que havemos e devemos de fazer que se fazem as nossas vidas. É de conselhos sobre o bom, e perfeito, que tudo pode ser se fizermos, acreditarmos, seguirmos, concretizarmos ou comprarmos o que quer que seja que nos estão a vender. E vendem mesmo. Talvez a grande característica dos nossos tempos, vidas de suposta e desejada liberdade, seja a grande quantidade de pessoas que se dedicam à venda, ao lucro, ao marqueting, pessoas tão altruístas que baseiam a sua existência no satisfazer as necessidades dos clientes, dos consumidores, sim, somos nós esses, mais do que pessoas, o paradigma do século vinte e um é que somos clientes e consumidores, números num balancete comercial, pessoas é só às vezes, cidadão é termo que não interessa, não, não interessa a ninguém, claro que não, não é uma necessidade dos clientes consumidores essa estranha coisa de querer ser-se cidadão. E tanto mais estranhos são estes tempos em que vivemos que são uns poucos, uns quantos, um número mínimo de pessoas que andam a dizer aos outros, a todos, à maioria, quais são as coisas de que precisam. É assim mesmo: alguns idealizam, uns poucos constroem e uns quantos marquetizam, criam necessidades e dizem-nos a todos como devemos ser felizes. Estranho mundo este onde uns poucos nos dizem o que necessitamos. Talvez fizesse mais sentido ao contrário, talvez o mundo se devesse virar de pernas para o ar, e os rios nasciam no mar, indiferente, o que quer que seja, talvez devêssemos nós achar que somos todos inteligentes o suficiente para sermos capazes de saber quais são as nossas próprias necessidades, talvez os marquetistas devessem andar a falar com as pessoas e a ouvir aquilo que lhes faz falta, talvez devessem andar esses marquetistas a tentar convencer os poucos que constroem sobre aquilo que os muitos querem, em vez de andar a convencer os muitos sobre o que os poucos decidiram querer vender. Mas enfim, são estes mundos ideais coisas da imaginação e do devaneio, não é assim que as coisas funcionam, nem poderiam funcionar, claro que não, onde estávamos nós com a cabeça. Ficam os sonhos para o mundo dos sonhos, voltemos nós aos nossos pesadelos, talvez seja isso mesmo, talvez o nosso maior pesadelo seja esse de nem sequer sabermos que necessidades temos. E logo vêm os vendedores de sonhos. Logo vêm eles com um sorriso na cara mostrarmo-nos como é tão fácil sermos mais felizes se tivermos aquela nova coisa inventada pelos melhores e maiores especialistas que nos vai satisfazer aquela necessidade que nós nem sequer sabíamos que tínhamos. Como era possível viver sem tal coisa, perguntamo-nos nós, estamos aqui para o servir, diz o vendedor de sonhos, não se preocupe, é só assinar aqui, passar aqui o cartão, endossar aqui o cheque, pode ser a débito, crédito, prestações, endivide-se, gaste, faça como quiser, não se preocupe com mais nada, agora goze o produto e seja feliz. E depois a novidade passa, a felicidade não apareceu, afinal tenho todos aqueles problemas para resolver, o miúdo que não estuda, o dinheiro que afinal fazia falta, o Amor, a Confiança que não existem, pois é, maleitas do espírito, e para essas os vendedores de sonhos não têm solução. Aliás, talvez seja precisamente por isso que a felicidade tarda em aparecer, talvez esta se faça com as coisas do espírito e do coração, coisas de difícil e árduo caminho, e não tanto com as coisas que com uma assinatura e um cheque passamos a ter. Talvez a felicidade se faça mais de ser e menos de ter. Mas isso os marquetistas não dizem. Não podem. Porque coisas do ser não se vendem. Enfim. Ficam as dores de quem escreve, os lamentos de quem vê, tantos e tantos e tantos a comprarem tanto e tanto e tanto e depois, falta qualquer coisa, pois, é isso, falta qualquer coisa e lá vão eles comprar mais tantos e tantos e tantos, esquecendo-se que se não foi à primeira que resultou porque diabo haveria de resultar agora. E é assim. É mesmo de vendedores de sonhos que se fazem os dias da nossa infelicidade. E a malta comprou esses sonhos. E um dia há-de perceber que se há uma coisa de que a felicidade não se faz de certeza é dos sonhos dos outros.

THE END OF THE WORLD

Curioso que esta intérprete não tenha aparecido com as mamas e o rabo à mostra no palco, a língua de fora a praticar felácios ao microfone ou a fazer gestos com as mãos que pretendam imitar genitais, tanto masculinos como femininos. Por mais incrível que possa parecer não precisa das mamas, do rabo ou sequer de chocar para vender álbuns e para que as pessoas passados cinquenta anos, imagine-se a loucura, continuem a apreciar o grito de tristeza de uma jovem que perdeu o pai. Imagine-se lá a coisa. Daqui por cinquenta anos, havendo ainda mundo, este lamento continuará a ecoar por aí. Já dos berros prostituídos das desgraçadas e desgraçados que por aí andam hoje em dia duvido que sobre alguma coisa. Talvez pena.

LÁ COMO CÁ

"Talvez a mais interessante e influente dessas disciplinas no nosso tempo tenha sido a da «educação». Foi inventada como disciplina académica para obter aval para uma nova visão da escola como local para produzir igualdade social, e não para reproduzir saber. Os peritos em educação deviam saber tudo acerca de psicologia, filosofia e sociologia da escolarização, e acerca do significado real - e até aqui mal entendido - da educação numa sociedade moderna. Contudo, não lhes é exigido que tenham qualquer conhecimento directo de um tema, nem qualquer verdadeiro crédito numa disciplina anteriormente reconhecida. Mesmo que não fossem competentes para entrar numa sala de aula e transmitir o saber que os alunos ali estavam para adquirir, eram os «peritos» em todas as matérias que tivessem a ver com o processo de o adquirir.
Sempre que tinham que ser tomadas decisões acerca de escolarização, programas e formação de professores eram os «educacionistas» que eram consultados - muitas vezes pessoas que tinham mostrado tão pouca capacidade de adquirir conhecimentos de uma verdadeira disciplina que tinham decidido aprender antes a ensiná-la. A sua agenda era uniformemente igualitária, centrada na criança e avessa ao conhecimento (...). O facto de os educacionistas não saberem nada com real siginificado nunca foi considerado como uma desvantagem. Pelo contrário, libertou as suas mentes para a missão de eliminar do programa todos esses obstáculos à falsa esperança que lá tinham sido plantados por gerações anteriores de estudiosos: obstáculos como o latim, o cálculo, o contraponto e a História nacional, os quais eram todos ensinados na escola e foram todos desde então efectivamente eliminados".

Roger Scruton, As Vantagens do Pessimismo (2011), p. 168

TOO BAD YOU'RE NOT HUMAN


segunda-feira, 2 de junho de 2014

UM PROCESSO (V)

A felicidade como um processo é também uma libertação face à escravidão que é aquela obrigação de ter que ser-se qualquer coisa que o nosso 'eu' passado, e forçosamente mais ignorante, estabeleceu como um objectivo de existência para o nosso futuro, condicionando-o. Se a isto juntarmos a noção de que muitos destes "objectivos de felicidade" advêm de marqueting comercial, pressão social, desígnios familiares, ou simples devaneios mais infantis, percebemos então que a felicidade como um processo, e a consequente permanente revisão dos objectivos, é uma forma muito mais autêntica, e por isso também feliz, de viver a vida.

UM PROCESSO (IV)

Imaginar a felicidade como um resultado final estático, e permanente, tem ainda outra dificuldade: um sucesso é um passo na direcção certa, mas um insucesso é um fracasso e, por conseguinte, um passo na direcção oposta. Assim, os insucessos tornam-se motivos de grande angústia e impeditivos de viver o dia-a-dia com tranquilidade. Pior ainda, por vezes são motivo de vergonha, sentimentos de fracasso, derrota, etc.. Já para quem interpreta a vida feliz como um processo de aprendizagem, e porque aprendemos por tentativa e erro, então os insucessos são mais facilmente aceites porque implicam crescimento, mais sabedoria e, naturalmente, entendem-se como fazendo parte da vida feliz.

UM PROCESSO (III)

Outra dificuldade dos neuróticos e obsessivos perseguidores da felicidade futura consubstanciada num resultado final particular é a incapacidade de adaptação do próprio objectivo. Fará sentido um homem de quarenta anos perseguir uma imagem do seu 'eu' futuro que estabeleceu como seu objectivo final de felicidade quando tinha apenas vinte anos? Só se não tiver aprendido nada entretanto.

UM PROCESSO (II)

Como podem os jovens guiados pela mentalidade, e pelo desejo, do resultado final, que andam sempre em busca daquele momento futuro para onde correm sem parar, sempre a sonhar com o seu 'eu' futuro onde serão directores, chefes, presidentes, isto ou aquilo, sempre a ansiar pelo tempo em que os seus sonhos se concretizam, em que vivem de facto a vida perfeita, como podem esses jovens correr com tanta vontade para tamanhos desígnios, se a concretização desses mesmos sonhos significa, também, e inevitavelmente, que então serão velhos - porque só os velhos são directores, chefes, presidentes, isto ou aquilo - e que a maior parte da vida já terá passado por eles, significando isto que passaram a vida a acelerar apenas para chegarem mais rápido à proximidade do fim? Querer ser-se algo que não se é, e desejar que esse algo chegue rápido, apenas pode significar querer que a vida, e ela já é tão breve!, passe mais depressa. Uma estupidez, portanto. Uma estupidez própria de crianças, porque apenas as crianças vivem na ilusão de que a vida é eterna. A vida feliz, pelo contrário, é aquela que se contenta, e se satisfaz, com o processo de transformação, e não apenas com o resultado final. Aliás, de tudo o que há, aquilo que menos interessa será precisamente esse resultado final pois nele apenas consiste a morte e o fim de tudo o que nos faz, ou poderia ter feito, felizes.

THE EXISTENTIAL SPLASH