Pensamento, m. - Acto ou efeito de pensar. Qualquer acto de inteligência. Fantasia. Ideia. Espírito. Uso da razão. Reflexões

quarta-feira, junho 04, 2014

DAS PENAS E SACRIFÍCIOS

Duma coisa em que ando a trabalhar (outra vez) mas que está dentro do tópico dos últimos posts:

"... Mas não é esse o nosso caminho, não apenas porque a velocidade é inimiga da qualidade mas também porque andar a contar as coisas a correr prejudica, ou impede mesmo, a profundidade do relato. Afinal, depressa e bem, não há quem. Além disso, dirão ainda outros, o mais importante da vida é aceitar que é a viagem que vale as penas e os sacrifícios, e não o destino, ou o fim. Senão, fossem os resultados apenas aquilo que interessa, fossem os fins, e não os permeios, aquilo que contasse, e todos os leitores se voltariam logo para as páginas finais dos livros, afinal de contas, para quê perder tempo com tretas quando podemos ficar logo a conhecer o final da estória? Se dúvidas houvesse de que é no aproveitar o caminho, mesmo com as pedras onde vamos tropeçando, ou melhor, principalmente com as pedras que se nos vão atravessando pela frente, é na viagem, nos durantes, nos entretantos, na perseverança e na subsistência, em suma, na existência, para não dizer mesmo: na vivência, que se faz a vida e não, como os marquetistas tanto nos fazem acreditar, que é sempre com a próxima página, no capítulo seguinte, a correr, depressa, vamos lá, é sempre ali, no momento seguinte àquele em que estamos agora, que residirá a felicidade da vida ou, no que concerne a presente metáfora, o gozo de um relato literário. Assim fosse e, em última instância, para os pobres humanos, a felicidade residiria apenas na campa, talvez naqueles dizeres gravados na pedra que fazem companhia aos cadáveres em decomposição. Aí, no verdadeiro e triste fim, parece-nos a nós que a haver felicidade apenas esta existirá nos ecos recordadores dos entretantos que àqueles, agora ali finados, em dias passados lhes aconteceram. Por isso, lembremo-nos nós dos que já foram, guardêmo-los em mente, para que possamos, nem que seja por respeito à sua memória, aproveitarmos nós o luxo da existência, mesmo quando a malandra teima em não nos fazer as vontades todas".

Sem comentários: