segunda-feira, 11 de agosto de 2014

TEMPITE

Não há nada que o tempo não cure além do próprio tempo. Que é como quem diz: o tempo tudo cura menos a doença que com ele sempre vem. A consequência é a angústia humana pingada naquela gadanha sempre bem segura pela peçonha que, vestida de preto e escondida no escuro, paira sempre à espreita ali no fundo do corredor.

Sem comentários: