Pensamento, m. - Acto ou efeito de pensar. Qualquer acto de inteligência. Fantasia. Ideia. Espírito. Uso da razão. Reflexões

terça-feira, janeiro 19, 2016

CONTROL FREAKING E SOCIALISMO

A necessidade de controlo representa duas coisas: por um lado, um abdicar face ao medo, por outro um isolamento face ao mundo. Uma abdicação, porque representa a ilusão de transcendência face às potenciais adversidades: criando a ilusão de que se está no controlo, alimenta-se a utopia de que nada de mal nos vai acontecer. Lá está: o medo - em última instância da morte. Representa também um isolamento porque querermos controlar o que nos acontece implica termos que eliminar as possibilidades de imprevistos ocorrerem: e apenas retirando o mundo, e os outros, das nossas vidas (ou, pelo menos, de onde nos possam magoar) as conseguimos controlar. Apenas reduzindo as vidas a nós próprios as podemos dominar em absoluto. Naturalmente, o esforço é inglório: nem o mundo se reduz a nós próprios, nem se pode tirar satisfação de uma vida onde as ocorrências são decididas unicamente por nós próprios: é a solidão. No entanto, é dessa isolada insatisfação que se alimenta ainda mais a necessidade de maior controlo porque, precisamente, a razão inicial que levou a tudo se querer controlar foi a recusa da infelicidade, infelicidade essa que a crescente insatisfação alimenta cada vez mais. E assim, inadvertidamente, cria-se um ciclo vicioso do qual é difícil sair: quanto mais se aperfeiçoa o controlo, maior é a insatisfação - o perfeccionismo controlador deriva num processo degenerador de isolamento, insatisfação permanente e, não havendo mais ninguém para culpar, de ódio-próprio. A infelicidade é, pois, o preço que se paga pela transitória - e falsa - sensação de segurança que o controlo oferece. Nas comunidades ocorre o mesmo fenómeno. Quando a doença mental que é o controlo do mundo passa do indivíduo para a comunidade, o esforço colectivo é tão inglório quanto o individual: onde no processo individual o indivíduo perde a felicidade pela ilusão de controlo - segurança, no processo colectivo a comunidade perde a liberdade e, consequentemente, a par da possibilidade de cada indivíduo existir por si próprio, desaparece também a capacidade da comunidade gerar prosperidade (o maior garante de paz e segurança). Claro está que numa comunidade maioritariamente composta por pessoas genericamente isoladas - ignorantes face ao mundo, e profundamente influenciada por doentes do controlo, essa perda de liberdade em nome de uma segurança utópica será celebrada como o caminho da felicidade: o grande aliado do socialismo das sociedades pós-modernas é o crescente isolamento dos homens face ao mundo - e a sua arma é a oferta ilusória da salvação.

Sem comentários: