segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

A ASCENÇÃO E A QUEDA (II)

O sucesso da civilização ocidental representa, ou deveria representar, naturalmente, um orgulho para aqueles que dela fazem parte; no entanto, tal orgulho obriga a uma responsabilidade acrescida de tentar compreender as razões do sucesso. O que permitiu ao Ocidente chegar onde nenhuma outra civilização tinha chegado antes? Em primeiro lugar, o conhecimento da história que permitiu aprender com os erros dos outros. Os humanos, como todos os  seres vivos, aprendem por tentativa e erro: apenas vendo onde as coisas correram mal podemos emendar a mão, corrigirmos, e aprender a fazer melhor. A civilização ocidental não nasce por acaso, fruto de teorizações abstractas levadas a cabo por alguns homens de génio: a civilização ocidental nasce em cima dos escombros das civilizações passadas; foi fazendo do seu conhecimento conhecimento nosso, foi apropriando-nos do que vimos de bom e rejeitando o que vimos como mau que nos construímos gradual e lentamente a nós próprios. Adaptando a frase famosa de Kant, foi nos ombros de grandes civilizações passadas que construímos a nossa. O acesso ao conhecimento e, acima de tudo, a sua disseminação foram absolutamente fundamentais na construção da nossa civilização: apenas numa comunidade em que o conhecimento (e através dele a capacidade de correctamente interpretar a realidade das coisas) foi oferecido gradualmente a cada vez mais pessoas se pôde erigir uma comunidade alicerçada na força de todos, e não apenas no rasgo e na força do líder. É essa característica principal que permite que, ao contrário das outras, a civilização ocidental tenha evoluído para uma cultura de participação ao invés de uma cultura de subordinação: e apenas uma cultura onde todos são chamados a participar poderia permitir prosperidade económica junto com democracia política, a base da liberdade tal como a conhecemos. É o grande legado dos nossos antepassados uma sociedade norteada pela liberdade de, e para, pensar, agir e trocar; onde impera a defesa dos indivíduos alicerçada nos seus direitos e na sua esfera única, e inviolável, de acção individual (protegida pelo direito à propriedade privada).

Em segundo lugar, a especificidade que o Cristianismo ofereceu ao Ocidente, ou seja: os seus valores. A tolerância, a solidariedade, o necessário balanço da liberdade com a igualdade, ao contrário do que a muitos possa parecer a uma primeira vista, incorpora na perfeição os valores e ensinamentos de Jesus Cristo. No entanto, a seu tempo, souberam também os nossos antepassados separar o temporal do secular. Essa separação soube dar o espaço para os indivíduos tratarem dos assuntos terrenos como melhor lhes aprouvesse. Mas o desígnio divino que os orientava continuava presente dando, por um lado, sentido ao mundo e, por outro, garantindo valor a esse mesmo mundo material que não poderia ser desprezado porque, tendo sido o local de encarnação de Deus feito homem (e matéria), ganhava uma dignidade inestimável. Deste modo, fornecidos de um sentido para a vida, motivados para conquistar e melhorar o mundo (a obra de Deus), organizados em função de valores funcionais, justos e reconhecidos como tal, souberam os nossos antepassados construir uma civilização próspera, poderosa e, a seu tempo, que soube oferecer a maior dádiva que uma comunidade pode garantir aos seus membros: paz e segurança.


Uma vez aí chegados, e para impedir a decadência, sobra proteger o que herdámos. E para isso impôs-se uma luta centenária entre aqueles que tudo queriam mudar em nome de valores ou ideias que entendiam ser melhores e os outros, aqueles que se apoiavam no valor da tradição como forma de proteger aquilo que já havia sido conquistado. As instituições, sólidas, respeitadas, transmitiram por gerações as leis e os conhecimentos do passado; as famílias fizeram o mesmo, mas em especial com os valores. Mas a cultura de participação e de crescente afirmação e florescimento da liberdade individual permitiu incorporar a mudança num processo gradativo de melhoramento generalizado das condições de vida das pessoas. As instituições visaram sempre manter; quem obrigou à mudança foram os indivíduos, que armados da crescente liberdade para o poder fazer; souberam conquistar, por si próprios, um futuro melhor para os seus filhos. E aqui residia a força civilizacional: numa multidão que pelo trabalho e dedicação escalava a montanha social rumo a uma melhor situação de vida.

Mas, acima de tudo, também, ocuparam-se as pessoas de aceitar o sentido para a vida e para o mundo que o transcendente comum e partilhado lhes oferecia. O mundo, e as suas dificuldades, era aceite tal como ele era, a justiça suprema encontrava-se apenas no além e a melhor forma para lidar com as agruras da vida era aceitá-las como naturais e imutáveis. Com a serenidade que ter o futuro para além da morte definido garante, com a força que a união espiritual dos povos consagra e com uma postura realista perante o mundo, a civilização prosperou até atingir o grau de riqueza do qual, salvo excepções, ainda beneficiamos hoje.

(Continua)

Sem comentários: