sábado, 30 de setembro de 2017

O CERCO (V)

Recebo a newsletter do Observador e, mesmo em dia de reflexão!, a segunda notícia em grande destaque, e única relativa à campanha autárquica, é para o facto de "a candidatura de Leal Coelho ter avisado [o observador] de que o PR ia passar na campanha", logo Leal coelho terá mentido quando afirmou que o encontro agora na berra seria casual. A seguir dá nota que Marcelo repudia Leal Coelho por esta dizer que o PR lhe teria ido dar uma palavra amiga. Este é o enredo ou, se preferirem, a "narrativa" da última polémica autárquica em Lisboa. Ora, três notas: (1) nem em dia de reflexão o Observador se abstém de, na única notícia relativa a eleições autárquicas, aproveitar para criticar Leal Coelho. (2) Um jornal revelar as informações que obtém de uma campanha por forma a obter notícias (neste caso que o PR ia passar) é, na essência, uma quebra de sigilo que as fontes esperam, legitimamente, ser respeitado por parte dos jornalistas. É um comportamento deplorável que mais não mostra do que a perseguição política que tem sido feita contra o PSD, Leal Coelho, tendo Passos Coelho como alvo máximo, pelo Observador na campanha autárquica de Lisboa. (3) Finalmente, quanto aos factos. O Observador foi lesto a apelidar Leal Coelho de mentirosa, reforçando a ideia com uma notícia em pleno dia de reflexão, e alicerçada na revelação de informação dada a título confidencial, mas esquece-se convenientemente de um pormenor: se foi avisado o Observador vinte minutos antes de que o PR ia ali passar, e se foi avisado pela campanha de Leal Coelho, então o PR terá avisado a campanha de Leal Coelho que iria ali passar. Isto é evidente e inegável. Se assim é, o PR avisaria Leal coelho, ou a sua campanha, de que iria visitar a sua campanha por que outra razão além de "dar uma palavra amiga"? Sobre isto o o Observador não se pergunta? Seria para quê a visita de Marcelo se não para dar uma palavra amiga? Seria para vilipendiar Leal Coelho? Para a criticar? Para lhe espetar uma facada nas costas? (esta talvez mas não seria anunciada) Ou seja, Leal Coelho, para proteger o PR, não diz que foi avisada, apesar de o ter sido, e o PR, para salvar a pele, acaba a fazê-la passar por mentirosa. Dez minutos depois o Observador larga a "notícia" de que Leal Coelho era mesmo mentirosa e a partir daí o palco está montado para mais um show "vamos todos bater na candidatura do PSD a Lisboa". O que vale é que todos sabemos que Marcelo não é dado a planos mirabolantes e maquiavélicos e que o Observador é um jornal independente. E assim se faz política (e suposto jornalismo) em Portugal. Chique a valer, hein?
#portugalnasmãosdosoligarcas

Sem comentários: