sábado, 30 de setembro de 2017

ZEITGEIST (II)

Leio no Observador, a propósito das eleições alemãs, que "a extrema-direita entra no parlamento alemão pela primeira vez desde 1945". Ou seja, para a jornalista, a AfD ou o Nacional-Socialismo de Hitler são uma e a mesma coisa. Para se pensar de tal modo ou se é profundamente ignorante (sobre a AfD e\ou o Nacional-Socialismo) ou se quer, disfarçada mas conscientemente, passar a mensagem de que o inimigo que assola a Europa são os nazis intolerantes agora súbita e misteriosamente ressuscitados. Seja ignorância seja intenção, no fundo, a conclusão é que no jornalismo mainstream lêem todos da mesma cartilha simplista e papagueiam todos as mesmas banalidades sem um pingo de reflexão sobre o filme que lhes passa mesmo em frente do nariz. Ou seja, são terreno fértil para a propaganda multiculturalista do status quo, sempre impingida nas entrelinhas do politicamente correcto, e cuja falência, essa sim, está na origem da subida eleitoral daqueles que a rejeitam. Comparar este fenómeno com o racismo bélico e expansionista do totalitarismo Nazi é, do ponto de vista intelectual, um atentado. Poucas coisas serão tão sintomáticas da decadência democrática como o proto-desaparecimento do jornalismo crítico, independente e inteligente. Mas a vida é assim: todos os defuntos precisam das suas carpideiras.

Sem comentários: