sábado, 30 de setembro de 2017

ZEITGEIST

Que na Alemanha a AfD tenha tido 13% dos votos e a CDU e o SPD, parceiros na política governamental aberta de imigração recente, tenham tido, ambos!, o pior resultado individual dos últimos 60 anos, tudo isto só poderá ser uma enorme coincidência. A culpa será, para a inteligência multicultural mediática, naturalmente, de Hitler e/ou da contemporânea intolerância supostamente neo-liberal. Nada que mais uns quantos programas sociais de desradicalização dos refugiados/imigrantes não resolvam, pensarão eles. Para esses iluminados nada pode travar o sucesso da ideologia multicultural: mesmo que o preço a pagar seja a destruição, a curto prazo, do projecto europeu e, a longo prazo, o desmoronar da civilização ocidental. Senão vejamos: aí no burgo, certamente, a extrema-esquerda, agora governamental, continuará a sua propaganda em frente de um silêncio mediático apropriado, mas, igualmente triste, é que na Alemanha, tal como em França, ou na Holanda, apenas os anti-europeístas se manifestem contra a destruição dos valores europeus. Daí o inevitável deitar fora o bebé junto com a água suja. Com o silêncio do centro sobram então dois extremos: de um lado, os marxistas das mudanças de sexo aos 12 ou 16 anos e os vivas às virtudes islâmicas, do outro, as chamadas extremas direitas. Quem acham que, a tempo, ganhará? E, mais importante, entre uns e outros, a ter que escolher, no segredo da cabine de voto, quem preferirão os europeus? Não me parece que a resposta seja muito difícil. Triste, sem dúvida. E, nos entretantos, tal como em França, celebra-se mais uma "vitória da democracia". Abram o espumante, é beber enquanto é tempo.

Sem comentários: