sábado, 13 de janeiro de 2018

DO PROGRESSO

Nos anos 80, quando eu era miúdo, havia muito daqueles foleiros que andavam pelos comboios e pelas praias com uns calhamaços barulhentos a incomodar toda a gente com música de merda. Hoje são os telefones móveis cheios de videoclipes e música da moda - igualmente terrível - com os quais os foleiros de hoje em dia nos brindam nos transportes públicos. Já perguntava o Stanislaw Lec se seria progresso um canibal comer com garfo e faca. A verdade é que é: para o canibal, claro.

Sem comentários: